Acessooh

São Paulo – Quando o Grupo Telefônica começou a operar no Brasil, em 1996, suas metas eram bem diferentes das atuais: instalar telefones públicos, reduzir o custo de telefonia e sonhar com a oferta de celulares aos brasileiros.

Depois de uma série de desafios competitivos, mudança societária e saltos de atendimentos, a empresa é hoje a maior do setor com quase 100 milhões de clientes em 3.800 cidades do país. E é a Empresa do Ano de Melhores e Maiores 2016 de EXAME.

Tal como suas concorrentes, entende que seu desafio é atender bem e inovar, ainda mais com a tendência de faturar bem mais com dados que com serviços de voz, como no passado.

As iniciativas de melhoria neste sentido aconteceram com mais força e resultados concretos em 2015, ano de integração com a GVT, com trocas de sistemas, equipes e estratégias.

Amos Genish, fundador da empresa adquirida, assumiu o comando da Telefônica com essas missões claras e colocou em prática ações para resolver rapidamente pendências antigas.

Deu mais autonomia aos vice-presidentes e diretores, que passaram a ter encontros mensais em vez de semanais, ganhou mais liberdade da matriz espanhola para definir investimentos e conseguiu melhorar a oferta de banda larga com remendos nas redes antigas.

Na parte operacional, a diretriz foi mapear os picos de reclamações de clientes por regiões e épocas do ano. A descoberta foi que manutenções nas caixas de fiação nas ruas de São Paulo antes do verão evitariam danos às redes e diminuiriam as queixas – o que de fato ocorreu.

A criação de equipes próprias de atendimento no call center e serviço de campo rendeu à empresa melhores parâmetros para a cobrança dos fornecedores.

Passadas as decisões emergenciais, Genish tem agora o desafio de definir que cara a Telefônica terá na próxima década. Em um mundo cada vez mais digital, ele já sabe por onde seguir. 

“Nosso foco é entregar a melhor conectividade tanto móvel como fixa, com uma infraestrutura de rede robusta e de alta qualidade”, afirma. 

Créditos – EXAME.com: http://exame.abril.com.br/negocios/noticias/telefonica-e-a-empresa-do-ano-de-melhores-e-maiores-2016

Algumas campanhas out of home são impossíveis de ignorar, umas por ocupar um grande espaço, outras por serem extremamente criativas, mas principalmente aquelas que conseguem aliar as duas coisas. Um outdoor da Samsung em Moscou encaixa perfeitamente na terceira categoria.

Na contramão da Apple, que opta por minimalismo mesmo em grandes proporções, a marca resolveu anunciar a chegada do Galaxy S7 Edge na Europa com estardalhaço. Para isso, um prédio na capital russa ganhou um painel gigante, com 80 metros de altura e 40 de largura, que replica o smartphone. Com truques que replicavam até as curvaturas laterais que o aparelho tem, o outdoor transformou o edifício em um Galaxy gigante.

Além de possuir o formato do celular, a tela gigantesca reproduzia um vídeo com uma apresentação do Galaxy.  Segundo a Samsung, o painel é tão imenso que pode ser visto a até 2,2 km de distância.

Créditos – Adnews: http://adnews.com.br/publicidade/predio-vira-galaxy-gigante-em-campanha-da-samsung.html

A Tecnologia presente nos relógios digitais permite o envio de informações aos smarthphones das pessoas próximas

Clear Channel inaugura neste mês no Rio de Janeiro a primeira rede de beacons em out of home da América Latina. A tecnologia permite o envio de informações e mensagens publicitárias aos smarthphones dos transeuntes próximos ao mobiliário urbano. A proposta da empresa é que as marcas complementem suas campanhas veiculadas na mídia. Inicialmente foram instalados 200 pontos de beacons (pequeno dispositivo que emite sinais bluetooth) nos relógios digitais e nos aspersores de água da capital fluminense.

“O out of home é uma mídia de massa e com recursos como o beacon oferecemos uma ferramenta segmentada para o anunciante. O beacon também faz muito bem a ponte de integração do digital com o off-line”, afirma Dario Gohda, diretor de desenvolvimento da Clear Channel. A empresa possui uma rede com três mil pontos na Austrália e testes nos Estados Unidos e Reio Unido. Curitiba e interior de São Paulo podem ser os próximos mercados a receber a tecnologia no País. Operações da empresa na América Latina também devem investir na área.

A ferramenta será oferecida de forma adicional ao anunciante na compra de veiculação de mídia exterior. Segundo Dario, a mensagem de texto é apenas uma das abordagens, mas não no formato SMS. “O texto não fica armazenado no aparelho do consumidor, mas aparece como um pop-up na tela e, depois, fica disponível na central de notificações. Outras formas de abordagem envolvem o uso de recursos multimídia, como sons, vibrações e luzes do flash”, explica.

Desenvolvido em parceria com a Aurea, empresa que forneceu a tecnologia e que implantou os beacons no Rio, o projeto capta informações disponíveis em aplicativos já instalados nos aparelhos celulares das pessoas, cruzando dados como perfil demográfico, hábitos de consumo e dados de navegação, por exemplo. A Aurea também é responsável pela plataforma de gerenciamento da campanha e pelo suporte aos anunciantes.

Quando um consumidor faz o download de um aplicativo qualquer, seja de rede social, serviço ou game, por exemplo, ele é submetido aos termos de uso, que autoriza a empresa a utilizar seus dados da forma que achar melhor. O beacon pega essas informações disponíveis pelos apps. “Mas o usuário tem total autonomia para bloquear o recebimento de mensagens via beacon. Basta ele desabilitar o Bluetooth do seu aparelho móvel ou nas configurações do aparelho restringir que os aplicativos usem suas informações de geolocalização”, ressalta Dario, destacando que a plataforma de gestão de campanha da Clear Channel consegue analisar o grau de interação do usuário com as mensagens. Se não houver interação, o usuário deixará de receber a comunicação.

Créditos – meioemensagem: http://www.meioemensagem.com.br/home/midia/2016/06/10/clear-channel-instala-rede-de-beacons-no-rio.html

Por Steve Wing e Imran Khan*

No mundo do marketing, é comum ouvirmos que a jornada do consumidor é formada por uma série de “momentos”. Trata-se de uma ideia bastante palpável vivenciada por todos nós em uma jornada multicanal e não linear, que pode ser desmembrada em diversas instâncias de intenção do consumidor.

Nessa jornada, estamos sempre buscando os produtos de que precisamos – desde o nosso primeiro carro até uma simples xícara de café – para completar cada momento.

É compreensível, portanto, que esses momentos tenham uma grande importância para os profissionais de marketing. Eles representam os momentos em que um consumidor está mais propenso a adotar, adquirir ou consumir um produto ou serviço, sendo a oportunidade ideal para apresentar um call to action (CTA) relevante.

Aproveitar essas oportunidades significa explorar múltiplas fontes de dados que norteiam tudo, das características demográficas e psicológicas ao contexto e à busca. Mas, entre todas essas fontes de dados, nada é mais forte do que a localização para se criar um vínculo com o consumidor no momento certo.

Do mobile à mobilidade

A publicidade baseada em geolocalização não é nenhuma novidade: já falamos sobre ela e a praticamos há algum tempo. No entanto, a tecnologia está de fato começando a evoluir para permitir que os profissionais de marketing tenham total aproveitamento desse tipo de publicidade.

Obviamente, a proliferação de smartphones – hoje, 53% da população do Brasil possui um – é muito importante nessa evolução. Pense na última vez em que você fez check-in em um restaurante no Facebook, marcou o bar em que estava com amigos em uma foto no Instagram, solicitou um Uber ou até mesmo deu uma olhada no Tinder para ver os “matches” que estavam nas proximidades. Os dados de geolocalização são uma moeda de grande valor tanto para consumidores quanto para as marcas, especialmente quando os smartphones são os únicos dispositivos que nos acompanham para todos os lugares.

E a mobilidade desses dispositivos conectados faz deles o canal de comunicação mais versátil de todos. Eles dão a oportunidade de extrair insights em tempo real com base na localização do consumidor. Se a busca é a principal medida da intenção do consumidor no meio digital, a localização certamente é a principal medida de intenção no mundo real.

Escolha os seus momentos

Então, qual é o atual grau de sofisticação dos recursos de segmentação por geolocalização? Hoje, os avanços dos recursos de geo-targeting e geo-fencing nos permitem saber a localização exata de um consumidor em um prédio para apresentar anúncios que sejam relevantes para sua jornada. A tecnologia Blueprints™ da xAd, por exemplo, permite definir limites ao redor de um local específico para, então, correlacioná-los a sinais de dispositivos móveis, em tempo real.

A rede KFC usou a tecnologia baseada em localização da xAd para promover sua nova família de burritos e aumentar a quantidade de visitas aos seus restaurantes. A campanha conseguiu trazer consumidores que estavam nas proximidades dos restaurantes da rede usando segmentação por proximidade e locais de concorrentes.

Essa tecnologia está ajudando a xAd a montar um enorme banco de dados do mundo real, com mais de 100 milhões de locais. Cada local é marcado com palavras-chave, como “pessoas que adoram fast food” e “showrooms de carros”, que os profissionais de marketing podem compram a fim de segmentar anúncios mobile para grupos específicos de consumidores.

É possível, por exemplo, definir os parâmetros de uma campanha para focar apenas em consumidores que de fato entraram em uma concessionária, em vez daqueles que apenas fizeram uma busca online por carros de luxo. Agora, comprar anúncios mobile baseados em geolocalização está tão fácil quanto comprar uma campanha de busca, sendo ainda mais eficaz na identificação do momento crucial na jornada de compra.

Oportunidades no horizonte

O poder da geolocalização como uma ferramenta de marketing revela o potencial de combinar a publicidade com recursos de hipersegmentação em vários tipos de mídia. Uma área especialmente interessante é, por exemplo, a mídia Out of Home (OOH). A Rubicon Project já anunciou importantes parcerias OOH com empresas como a Bitposter, a Captivate e a Adspace para fazer desse mix de tecnologia, dados, geolocalização e publicidade OOH uma proposta estimulante. O mobile e os recursos baseados em localização têm o potencial de ampliar as campanhas OOH, em especial, em uma época em que os locais de anúncio estão se tornando cada vez mais digitais.

O desafio é criar um sistema em que os dados mobile, dos recursos baseados em geolocalização e das campanhas OOH falem a mesma língua. No momento, essas três áreas ainda atuam em silos, mas há sinais positivos de que esse panorama está começando a mudar. A Clear Channel anunciou recentemente uma parceria com a AT&T para acompanhar padrões e comportamentos de viagens com base em seus celulares.

Há também o fato de que alguns fornecedores de tecnologia não oferecem o grau de precisão que deveriam oferecer, pautando-se nas torres de celular, cuja precisão limita-se a apenas 1,5 km. É por isso que é tão importante trabalhar com um parceiro de publicidade com a capacidade de segmentar os consumidores com base nos locais e em escala. Se não for assim, corre-se o risco de haver uma segmentação muito imprecisa.

O despertar dos recursos de geolocalização está apenas começando a acontecer. Com a evolução da tecnologia a passos tão largos, não vai demorar muito para que o marketing possa usar todo o potencial dessa incrível ferramenta. Já estamos vendo as coisas mudarem – a Pesquisa Global sobre o Setor Mobile de 2016, conduzida pela ExchangeWire Research juntamente com a Rubicon Project, descobriu que 75% dos compradores de marca e mais de um quarto (27%) das agências preveem que entre 81% e 100% das suas compras mobile seriam baseadas em localização em 2016.

Se os momentos de marketing são o novo campo de batalha das marcas, os dados de geolocalização passarão a ser, sem dúvidas, uma das mais importantes armas no arsenal dos profissionais de marketing.

*Artigo de Steve Wing, Vice-Presidente Internacional de Mobile e Marketplace na Rubicon Project, e Imran Khan, chefe de Tecnologia Programática e Parcerias da xAd, Inc

Créditos – Adnews: http://adnews.com.br/adarticles/encontrando-o-momento-de-marketing-por-que-geolocalizacao-e-essencial.html

ikea

A Ikea já provou algumas vezes que em seu negócio a criatividade vai além do design moderno dos móveis que comercializa. Depois criar uma nota fiscal de aço para oferecer aos clientes um documento tão durável quanto seus próprios produtos, a empresa aposta no mobiliário urbano para impactar o público.

Para isso, a Ikea um outdoor no topo dos prédios com uma contagem do tempo que as pessoas gastam do local em que a peça está instalada até a loja mais próxima. A ideia por si só parece interessante e fica melhor ainda quando descobrimos que o painel é feito do principal produto da marca, a estante Kallax.

Confira o video case da ação assinada pela Grey Polônia:

Créditos – Adnews: http://adnews.com.br/negocios/ikea-transforma-sua-estante-mais-famosa-em-outdoor.html

dengue

Se o Aedes Aegypt é uma ameaça constante na vida dos brasileiros não importa onde eles estejam, nada melhor que aproveitar as possibilidades do mobiliário urbano para impactar o público mesmo em seus momentos de pressa, quando estão em trânsito. Foi o que fez a NBS em parceria com a Posterscope ao instalar um painel “mata mosquisto” em mobiliário urbano.

A instalação foi construída com uma combinação de tecnologias que atrai e mata o inseto conhecido como mosquisto da dengue, que vem protagonizando uma das maiores preocupações do Brasil nos últimos tempos. Com o texto “Esse painel mata centenas de mosquistos da dengue por dia. Faça sua parte”, a ação chamou a atenção de quem passou pela peça e foi convidado a ajudar no combate ao mosquisto transmissor de pelo menos três vírus graves.

O mais interessante é quie todo o projeto foi desenvolvido em creative commons, permitindo que pessoas de qualquer lugar do mundo possam replicar a ideia. No site do “mosquisto killer’, é possível conhecer detalhes de como a ideia foi executada e baixar o projeto (clique aqui).

Confira como funcionou a ação:

Créditos – Adnews: http://adnews.com.br/negocios/painel-atrai-e-mata-mosquitos-de-dengue-em-acao.html

Se você é daqueles que odeia inverno, um bom conselho é evitar a Alemanha. Além de todas as características típicas dessa época do ano, o país tem o agravante de contar com dias mais curtos com pouco sol. Quando surge, o astro-rei se exibe no curto período entre as oito da manhã e as quatro da tarde, de forma tímida nos dias menos cinzentos.

No México, por sua vez, se existe algo que não está em escassez é o sol. O destino pode ser uma boa alternativa para os alemães que não suportam mais a melancolia do inverno em seu país. Aproveitando essa diferença entre as duas realidades, a Lapiz Leo Burnett desenvolveu um outdoor que derrete em pleno inverno germânico para convidar as pessoas a visitarem O México e aproveitarem suas horas de sol.

A instalação foi composta por uma combinação de luz neon e gelo, imitando anúncios de “há vagas” com o seguinte anúncio: “Sun Open Till 8 pm. VisitMexico.com.” (“Sol. Aberto até as 8 da noite”, em tradução do inglês). Proposta tentadora para quem quer curtir algumas horinhas de sol a mais por dia.

Para criar o outdoor, a agência usou dois metros cúbicos de gelo, 80 metros de fios, 47 letras modeladas e cortadas a laser e uma centenas de parafusos. As peças derretiam e eram respostas durante os dias em que durou a ação. Ao todo, foram 10 horas de gelo derretendo por dia.

Todo o esforço parece ter dado certo a tirar pela reação das pessoas ao se depararem com o “outdoor de gelo”. Confira no video case abaixo:

mexico 02

Créditos – Adnews: http://adnews.com.br/negocios/outdoor-que-derrete-convida-alemaes-a-curtirem-sol-do-mexico.html

herois

Quem não gostaria de ser um super-herói? Talvez por imaginar a ideia surreal de ter tantos poderes as pessoas sejam tão aficionadas por franquias como Batman e Superman. Justamente pensando nisso, a agência australiana OMD criou um anúncio especial que ‘transforma’ qualquer fã em um dos dois personagens mencionados acima.

Utilizando a realidade aumentada, as peças de busdoor com touchscreen instaladas em Sydney e Brisbane escaneiam o rosto dos pedestres e os colocam na pele do herói favorito. O objetivo, é claro, é promover o filme Batman vs Superman nos cinemas das cidades .

Confira:

Créditos – Adnews: http://adnews.com.br/negocios/busdoor-usa-realidade-aumentada-para-transformar-pessoas-em-herois.html

Acessooh

A praia de Bondi, em Sydney, na Austrália, ganhou um novo atrativo para este verão. Uma máquina instalada em um ponto de ônibus chamou a atenção de quem caminhava pela orla. A instalação segue o mesmo estilo dos clássicos jogos em que há a difícil missão de agarrar prêmios com a ajuda de garras mecanizadas. No lugar de brinquedos e ursinhos, a máquina tem um estoque de protetores solares fator 50.

A ação é uma iniciativa conjunta do Instituto do Câncer de Sydney com as agências JCDecaux, Soap Creative e UM. O objetivo é aumentar a conscientização sobre os riscos do câncer de pele e estimular a população a aderir ao hábito de utilizar o protetor solar para evitar a doença.

A campanha ‘Pretty Shady’ também conta com um site com dicas e informações sobre o tema, além de outras instalações de out of home, como abrigos que protegem os passageiros do sol enquanto aguardam os ônibus chegarem.

Confira o vídeo case do ação:

Créditos – Adnews: http://www.adnews.com.br/out-of-home/maquina-distribui-protetor-solar-em-praia-na-australia

Acessooh

Com a unificação do online e offline, abrimos um leque de possibilidades para a propaganda. Foi o que a Milka fez ao unir a praticidade da internet com a magia do out of home em sua nova campanha.

Consciente de como a rotina atrapalha os relacionamentos humanos, a marca de chocolates criou uma plataforma para que ucranianos pudessem mandar mensagens de amor e carinho a pessoas especiais. Ao criar o recado, o usuário poderia escolher em qual mídia gostaria que ela fosse veiculada, TV, redes sociais ou out of home.

Em parceria com 15 canais locais e instalação de mídia externa em 25 cidades, milhares de mensagens foram distribuídas pelas ruas, casas, e computadores dos ucranianos.

Créditos – adnews: http://www.adnews.com.br/out-of-home/milka-permite-que-usuarios-enviem-mensagens-para-outdoor